Por Sukarno Cruz Torres

Após três dias de visita a minha cidade natal, encontrei na cidade um trânsito confuso e ruas cheias de buracos, convenções de partidos políticos para todos os lados. Mesmo assim foi uma viagem muito prazerosa. Foi possível rever alguns amigos, visitar com a minha família o povoado do Firmino, onde encontrei pessoas que ficarão na minha memória para sempre, gente humilde e de um carisma sem igual, valeu a pena conhecê-los.

Mas o que mais me Impressionou nesta visita, foi a quantidade de pessoas na cidade de Presidente Dutra que estão no acalanto da acomodação, reclamando aos quatro cantos. Estão vivendo literalmente a “Síndrome de Gabriela”, sempre dizendo: “eu nasci assim, eu cresci assim, eu vivi assim, eu sou mesmo assim, vou ser sempre assim…”.

Não é possível que uma pessoa possa evoluir dessa forma, vivendo em estado doentio em não acreditar que pode alterar o curso de sua vida e viver de maneira diferente. Você não precisa viver como se o mundo fosse um inferno, embora ele não seja um céu. Estamos numa caminhada e podemos, em Deus, mudar o rumo das situações que nos prejudicam.

Algumas pessoas, embora possuam uma boa qualificação técnica, têm dificuldades em manter-se no mercado de trabalho. Isso ocorre pelo fato de possuírem atitudes e comportamentos que nada combinam com o mundo atual. Estamos num mundo em evolução e amadurecimento. Entretanto, alguns indivíduos agem como se acreditando que as coisas devem ser feitas sempre da mesma maneira, ou seja, do seu jeito. Possivelmente, continuarão tendo os mesmos resultados de sempre.

 É necessário estarmos em processo de aprendizagem e capacitação contínua e, principalmente, aberto às mudanças. Tudo muda em fração de segundos, seja em relação ao trabalho, família, na forma de nos relacionarmos etc. Devemos acompanhar esse processo se desejarmos evoluir, crescer; do contrário encontraremos estagnação, e muitas vezes sofrimento.

 As pessoas com a síndrome podem ser assim durante toda a vida e passar a falsa imagem de que se conhece muito bem e se aceita da forma como é, enquanto, muitas vezes, sua atitude é para esconder seu auto-desconhecimento e sua baixa auto-estima. São pessoas com atitudes imobilizadoras e retrógradas, evitando o novo, a mudança e deseja que o mundo cristalize para não ter o que mudar. Elas se apegam na sua suposta incapacidade e pela preguiça em lutar contra suas certezas equivocadas e convenientes.

Acredito que, mesmo depois de adulto, o ser humano é capaz, sim, de promover mudanças importantes em seu comportamento. Para isso, é necessário que ele queira e se engaje no projeto de evoluir em todas as dimensões de sua vida!

adonias

Comentar

COMENTÁRIOS (8)

  1. mau com u

    02/07/2012

    meu querido adonias vc e um grande amigo e mora no meu coraçao admiro muito seu trabalho e leio todos os dias o seu blog mas me descupe nao suporto um tal de sukarno cruz torres

  2. Ademir

    03/07/2012

    O articulista acertou na mosca, a carapuça serviu para o Mau com U.

  3. Sukarno Cruz Torres

    03/07/2012

    Ô menino “Mau Com U”, estou indo contra teus interesses, não é mesmo? A mamata vai acabar e você está apelando muito cedo. Mostra que você é “MAU Com U” de verdade, publica aqui o teu nome completo e onde trabalha, danadão!!! Mostra tua cara.

  4. edson

    03/07/2012

    sou um leitor do blog do adnias e gosto miuto de ler SURKARMO CRUZ TORRES PORQUER ELE ESCREVE O QUER DOI NA FERIDA

  5. Prof. Carlos Henrique

    03/07/2012

    A “SDG” Síndrome de Gabriela é muito peculiar dos brasileiros, especialmente dos maranhenses. Convivemos cotidianamente com pessoas em estados mórbitos sem especttativa nenhuma de vida. Esperam, em uma paralisia doentia, dádivas divinas ou favores políticos para seguirem vivendo.
    Parabens sukarno seu texto acertou em cheio o estado parasitário em que vive nossa comunidade.

  6. Nemias dos Santos Lima

    03/07/2012

    (>>>>>>>>>>>)

    Resposta: Por favor me passe o Link correto e também o seu email correto para que eu possa fazer uma avaliação e a devida correção junto à pessoas que você se refere. Fico aguardando. Obrigado.

  7. Marcos Aurélio da Guerra Dantas

    09/07/2012

    O síndrome da Gabriela a qual se refere o senhor Sukarno, a muito tempo está instalada em Presidente Dutra e já se tornou crônica. É preciso que os doentes da síndrome queiram realmente tratamento para a doença. Enquanto encararem eleições como jogo de futebol em que o “time A” é inimigo figadal do “time B”, porque cada um só tá preocupado com o seu umbigo (escolhi umbigo pra ser mais polido), a coisa não muda. Para aqueles que consideram todo político corrupto, não se esqueça que está se referindo a si próprio, porque todos nós somos políticos. E devemos ter atitudes coerentes com a política, pois esta busca o bem da coletividade, não o que é melhor para si ou para os seus. Parabéns Sukano pelo escrito e os incomodados, como você mesmo diz, poderiam mostrar a cara e rebater argumentos também com argumentos e fatos, mas “é ruim” disso acontecer heim! E se não acontece é porque não existem.
    Felicidades!

  8. Klaudya

    25/07/2012

    Nossa!!! Não poderiam ter encontrado um termo melhor p/ se referirem a maneira que as pessoas vivem na cidade de Presidente Dutra. Síndrome de Gabriela, e o pior é que não fazem nada p/ mudarem essa situação, parecem q estão todos cegos. Estive aí em janeiro, e o q vi foi pessoas brigando e se agredindo verbalmente p/ defender políticos q estão poucos se lixando p/ eles. Não se preocupam nem mesmo c/ a água q estão consumindo. Água essa q parece mais um suco de buriti, só que o gosto é bem diferente de buriti, é puro ferrugem. Eu fiquei revoltada c/ aquilo e se eu tivesse a oportunidade de oferecer a qualquer um político q passassem na casa da minha irmã, teria feito c/ muito prazer. Esse ano é de eleição, e as campanhas já começaram, só tomara que façam uma boa escolha, e que esse escolhido se preocupe de verdade c/ as pessoas e c/ essa cidade q é muito querida por mim e por todos.

Deixe uma resposta









*