A Polícia Civil do Maranhão, por meio da Delegacia de Dom Pedro/MA, sob o comando do Delegado Humberto Alves Júnior com apoio da Polícia Militar, prendeu na tarde da última terça-feira um grupo de criminosos suspeitos de praticar vários delitos na cidade e na região, entre os quais, roubos e furtos.

Durante a operação foram presos Carlos dos Santos Ribeiro, vulgo “Carlinhos” de 27 anos, Pablo Ricardo de Sousa Nascimento, de 20 anos e Reginaldo de Oliveira, vulgo “Régi” de 25 anos.

De acordo com o Delegado Humberto Alves, no momento da prisão Carlos dos Santos portava uma arma de fogo que utilizou na troca de tiros com a polícia; “Carlinhos” é investigado por homicídio, fato acorrido no final do ano passado em Dom Pedro.

Já Reginaldo de Oliveira é foragido dja Justiça de Timom-MA; “ele havia cortado a tornozeleira eletrônica que utilizava”, afirma o delegado.

Os três responderão por roubo, furto, porte ilegal de arma de fogo, receptação,  associação criminosa e corrupção de menores. “Todos foram autuados em flagrante e serão encaminhados ao Centro de Ressocialização de Presidente Dutra-MA, onde permanecerão à disposição da Justiça”, declarou Humberto Alves.

Foram ainda apreendidos quatro adolescentes, sendo duas mulheres, os quais responderão por roubo, furto, receptação e associação criminosa.

A Polícia Civil conseguiu recuperar 2 (duas) motocicletas que haviam sido roubadas recentemente na cidade, as quais estavam escondidas no matagal, em locais diferentes, além de 1 (uma) TV Toshiba 48″, 2 (duas) caixas de som automotivo (cada uma com dois alto-falantes, duas cornetas, duas tuitas e equalizador), 1 (um) player de som automotivo e 6 (seis) pacotes de fibras novos, além de outros objetos.

Todo o material apreendido será devolvido aos respectivos proprietários, que devem procurar a Unidade de Polícia Judiciária de Dom Pedro/MA.

“Durante a operação, foram conduzidas à delegacia outras 7 (sete) pessoas envolvidas em jogos de azar/apostas eletrônicas ilegais, as quais responderão pela contravenção penal prevista no art. 50 da LCP; o local das apostas foi fechado e todo o material apreendido e encaminhado ao Judiciário, dentre eles, tablets, aparelhos celulares, televisores, cerca de R$ 300,00 (trezentos reais) em dinheiro, impressoras e outros. As investigações realizadas dão conta de que a casa movimentava mais de R$ 100.000,00 (cem mil reais) por mês em jogos ilegais” finalizou o Delegado Humberto Alves.

adonias


Facebook
Twitter
Instagram