images-cms-image-000541185O articulador do golpe parlamentar de 2016, senador Aécio Neves (PSDB-MG), é acusado de receber mesadas de até R$ 2 milhões por mês da Odebrecht; o executor do golpe na Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), está preso em Curitiba; o operador no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), tem cinco inquéritos para chamar de seus; o avalista da conspiração, Fernando Henrique Cardoso, foi acusado de receber vantagens indevidas da Odebrecht em suas campanhas; o beneficiário, Michel Temer, só não é investigado porque o golpe lhe deu imunidade temporária; enquanto isso, não há uma única acusação de benefícios financeiros à presidente deposta Dilma Rouseff; contra ela, o máximo que se diz é que houve doações não contabilizadas à campanha – o que não era de sua responsabilidade direta – e que teria alertado o amigo João Santana; ou seja: o Brasil golpeou a presidente honesta para favorecer políticos corruptos.

.

.

Do Brasil247

adonias