Por Sukarno Cruz Torres

 

É importante que os próprios jovens comecem, desde a escola, a interessar-se pela política e atuem diretamente, cobrando responsabilidades de Governantes, propondo ações e participando de fóruns, conselhos e eleições.

Se analisarmos a história do País, veremos que praticamente todas as importantes mudanças e conquistas da nação brasileira, contaram com a participação ativa da juventude.

Atualmente, a juventude é a faixa etária com maior número de brasileiros e precisa estar presente em todas as instâncias de necessidades da vida do povo para enfrentar os desafios sociais existentes e ter condições de criar bases para o desenvolvimento do país. Por isso, é fundamental que os jovens se organizem, participem diretamente da política e pratiquem a democracia participativa.

A juventude é vista, muitas vezes, como problema e solução para o país. Do mesmo modo que ouvimos expressões como “juventude perdida”, “juventude viciada, violenta”, escutamos frases célebres como “os jovens são o futuro do Brasil”.

Recentemente saímos às ruas à busca do direito ao voto para Presidente da República, na campanha das Diretas-Já. Em 1992, voltamos às ruas e pintamos os rostos pelo “impeachment” de Collor no movimento dos “Caras-Pintadas” que foram fundamentais para o resgate da soberania e da democracia do nosso povo.

Os jovens devem estar cientes dos acontecimentos políticos em seus Municípios em que vivem, bem como fazer um chamamento à responsabilidade de todos os jovens para que assumam de fato, e de direito, o seu lugar na condução dos destinos administrativos de seus Municípios.

Já não é mais aceitável que nossos adolescentes inteligentes, dinâmicos e criativos fiquem relegados a planos secundários ou totalmente ignorados nos programas e projetos administrativos dos Municípios.
Jovem, é chegada à hora de se fazer uma política onde a juventude seja de fato a prioridade em uma administração.

Você jovem é a alavanca necessária para dar o inicio, uma revolução administrativa, onde a participação do cidadão é fundamental para, com a transparência necessária de todos os atos administrativos, mostrar que apesar da carência de recursos, pode muito bem, propiciar a todos os segmentos da sociedade uma perspectiva de vida superior a que ofereceram, se é que ofereceram alguma coisa.

Jovem, você já parou para pensar nesta pergunta:

“Quando algum jovem foi chamado para ser um co-autor na condução dos destinos de seu Município?

 

Sukarno Cruz Torres é Presidutrense, Analista Financeiro e Técnico em Contabilidade


Por Sukarno Cruz Torres

No passado, o que reinou em Presidente Dutra, foi o coronelismo, ameaças, fraudes eleitorais, currais eleitorais e o voto de cabresto. Era a velha prática política quem mandava nos pleitos eleitorais.

No rápido debate público que se forma em Presidente Dutra, a situação tende a não mudar. Sinto até saudades de uma frase do então candidato a prefeito, José Olavo Sampaio, que dizia: “SEM ÓDIO E COM AMOR”. Mesmo com esta frase sendo o slogan da sua campanha, ele foi tragicamente assassinado antes do período de eleições.

Os pré-candidatos e seus seguidores, passam a querer desqualificar os outros com todo o tipo de adjetivos depreciativos, chamando-os de corporativistas, direitistas e esquerdistas, todos aqueles que ousaram se opor aos seus pacotes de idéias e promessas.

Com dificuldades para fechar em torno dos seus projetos, os pré-candidatos fazem a distribuição antecipada de cargos, o que se desnuda pela informação incontroversa, divulgada a ‘boca pequena’ nas ruas.

Um dos grandes problemas da máquina pública municipal é a falta de controle sobre os resultados. Um governante assume o cargo e após as eleições, aceita todo tipo de indicações para os cargos, depois de quatro anos, o ciclo recomeça. Nesse intervalo, salvo exceções, a máquina se acomoda, perde agilidade e volta ao marasmo que sempre marca os finais de governo.

Para os gestores, deveria ter metas claras e previamente definidas, que deveriam ser atingidas no decorrer do mandato, sob pena de ficarem imediatamente inelegíveis e com o seu patrimônio indisponível. Os funcionários deveriam ser escolhidos por mérito, e os que não conseguirem manter a ‘máquina azeitada’ poderiam ser substituídos sumariamente.

Para a população, o efeito dessas duas medidas certamente teria um bom impacto. Pelo menos, é isso o que se espera. Até porque entre as metas estará sempre a melhor qualidade do serviço prestado pelo município. E para isso, esse município irá contar com os melhores servidores de que dispõe independentemente da opção partidária que eles tiverem.

No geral, os fatos e especialmente os métodos de gestão pública falam por si.

 

Sukarno Cruz Torres é Presidutrense, Mora em São Luis e é Analista Financeiro e Técnico em Contabilidade.


Por Sukarno Cruz Torres

Os pré-candidatos Juran Carvalho e Biné Soares dividem a atenção dos eleitores de Presidente Dutra, às vezes num clima morno e em outros momentos, com lampejos de trocas de farpas. Começam mal, extrapolando o que é determinado pela lei, com manifestações fora de época.

É muito confortável esquecer o passado, mas mesmo assim, ambos buscam comparações de gestões anteriores. Para denegrir a imagem do outro, mencionam a administração dos prefeitos Jurandy e Agripino, sem esquecer a atual gestão da prefeita Irene Soares.

Acredito que não é prudente fazer política olhando para o retrovisor, é importante mirar no futuro. Presidente Dutra precisa de muito mais.

Neste momento que antecede o período eleitoral, irão aparecer várias “propostas de boca” e inúmeros compromissos duvidosos, portanto, vale saber: Quem dos pré-candidatos já investiu no município, mesmo que seja em ações sociais? Quem tem oficialmente uma proposta de gestão para apresentar a sociedade antes das eleições? A sociedade precisa avaliar suas metas de governos antes de votar. Quem dos pré-candidatos sabe quanto é a receita e despesa do município? Uma proposta de gestão precisa de um orçamento real, para que possa ter um planejamento verdadeiro, sem utopias.

A polarização de candidaturas é ruim para sociedade. Com a polarização, para os pré-candidatos serão criados falsos amigos e verdadeiros inimigos.

 

Sukarno Cruz Torres nasceu Presidente Dutra, mora em São Luis, é Analista Financeiro e Técnico em Contabilidade.


123
Página 3 de 3